8 de dezembro de 2022

Comprando uma cobertura

Comprar uma cobertura

Para muitos, a vida na cobertura é considerada o auge do luxo. Apenas o melhor dos melhores fará em uma suíte de cobertura, desde os acabamentos até as comodidades até, é claro, as vistas.

Os compradores também são atraídos pela privacidade que essas propriedades proporcionam, já que muitos tomam andares inteiros e podem ter elevadores privados ou até entradas separadas. A designação em si tem uma conotação de exclusividade e realização.

Mas todas as coberturas não são criadas iguais, e os compradores têm que olhar para mais do que apenas o número de quartos e o preço por metro quadrado ao fazer tal investimento.

O investimento adicional valerá a pena, pois a unidade de melhor qualidade provavelmente apreciará mais em valor. Isso é especialmente verdade se é em um local popular.

Para isso, é importante investigar não apenas a qualidade dos acabamentos, comodidades e construção da unidade. Igualmente importantes são os fundamentos do edifício e saber quais projetos estão em obras no bairro, especialmente se eles podem afetar as vistas.

 

O Custo da Vida de Luxo

Alguns edifícios agora oferecem coleções de cobertura, em vez de apenas um. Isso dá aos compradores muitas opções.

Por exemplo, o zoneamento em alguns lugares, limitam as alturas da construção, então muitas vezes a cobertura não tem as vistas que um comprador esperaria em outras grandes cidades.

Os edifícios de luxo em Dubai não têm as mesmas restrições, mas os empreendimentos ultra high-end são limitados. No entanto, isso lhes dá um ar extra de exclusividade.

A melhor unidade no melhor edifício comanda um prêmio, que difere dependendo da área. Mas os compradores podem esperar pagar cerca de 20% a 40% mais do que unidades de tamanho semelhante em andares inferiores.

E embora viver a vida alta tenha um custo extra, o investimento é mais provável que pague a longo prazo. Essa qualidade mantém o apartamento de alto padrão bonito para os anos seguintes, mas também pode se traduzir em retornos sólidos quando é hora de vender.

Como essas unidades são negociadas com menos frequência, os proprietários costumam ver mais valorização nas propriedades.

 

Subindo

Antes da década de 1920, os moradores da cidade de Manhattan tendiam a viver em andares inferiores de edifícios do Upper East Side.

Na verdade, os funcionários de serviço muitas vezes ficavam nos níveis superiores de edifícios maiores, enquanto seus empregadores viviam em unidades semelhantes a mansões nos primeiros andares. Mesmo após a adição de elevadores, os afluentes permaneceram de castigo.

Foi a fundadora e empresária da editora Condé Nast que trouxe coberturas à moda. Nast teve um duplex criado nos andares superiores da 1040 Park Avenue no Upper Side East Side de Manhattan, que serviu como um lar para ele e sua família, bem como o local de festas luxuosas que ele organizou para a Vanity Fair, Vogue e outras revistas publicadas por sua empresa. Logo, outros nova-iorquinos ricos estavam tomando apartamentos no último andar para si mesmos.

Um século depois, coberturas podem ser encontradas ao redor do mundo e são mais altas no céu do que qualquer bon vivant dos anos 20 teria imaginado.

A tecnologia permitiu que os desenvolvedores construíssem torres cada vez mais altas. Este ano, a torre residencial mais alta do mundo será aberta na Fila do Bilionário de Manhattan, a Central Park Tower de 95 andares, de acordo com o Skyscraper Center, o banco de dados do Conselho de Edifícios Altos e Habitat Urbano, com sede em Chicago.

Desenvolvimentos de uso misto ainda mais altos também têm coberturas no céu, incluindo o Burj Khalifa de 2.717 pés em Dubai, que é o edifício mais alto do mundo.

Outros clientes podem até não estar procurando uma cobertura, mas acabam com um porque querem o espaço adicional e fazer uma boa compra.

 

Diligência dupla

Dito isso, há algumas desvantagens em viver no último andar. Um deles é barulho, ela disse. Isso porque equipamentos mecânicos, como condicionadores de ar maciços, podem ser localizados no telhado. Além disso, se houver algum vazamento no telhado, isso pode significar água entrando no apartamento.

Essas são apenas algumas das razões pelas quais é importante fazer diligência dupla antes de assinar na linha pontilhada. Isso muitas vezes começa com encontrar a pessoa certa para ajudá-lo durante o processo.

A qualidade da cabine e dos eletrodomésticos e o fluxo do apartamento são outras coisas para se cuidar. Conhecer o bairro também é crucial.

Há poucas coisas piores no mercado imobiliário do que descobrir que um novo arranha-céus bloqueará a vista de um apartamento recém-adquirido. Um corretor experiente será capaz de dizer a um potencial comprador se e quando quaisquer novos projetos estão definidos para começar na área, e como eles afetarão o que eles podem ver da unidade.