29 de setembro de 2022

Água de arroz para o cabelo crescer mais rápido? Casca de banana para acabar com a caspa? Presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia esclarece o que pode ser usado no couro cabeludo

O médico e tricologista Dr. Luciano Barsanti, presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia, alerta: é preciso ter cuidado com tratamentos populares para os problemas do couro cabeludo, que podem agravar os sintomas

São Paulo, 12 de agosto de 2022 – A influencer Kim Kardashian afirmou, recentemente, que utiliza água da lavagem do arroz para que seus cabelos cresçam mais rápido. Para o médico e tricologista Luciano Barsanti, presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia (SBTri) e Diretor Médico do Instituto do Cabelo, a atitude é, no mínimo, uma perda de tempo. “O que determina a velocidade do crescimento dos fios é a genética de cada um. Em média, os cabelos lisos crescem 1cm ao mês e os cacheados 0,5 cm. Uma alimentação rica em carnes, peixes, ovos, vegetais e sucos naturais ajuda bastante. Quando existe algo errado com o organismo, como uma anemia, o cabelo cresce mais lentamente. Mas usar água de arroz não mudará a velocidade de crescimento e, ao contrário, ainda pode causar alguma alergia”, alerta.

O modismo de passar elementos estranhos no couro cabeludo vai além. “Outro dia, me perguntaram se casca de banana acaba com a caspa. Ora, a caspa, também chamada de dermatite seborreica, é um processo inflamatório, de ordem genética, agravado pelo frio, pelo estresse e pelo consumo de alimentos altamente calóricos, gordurosos e ricos em açúcar. Passar casca de banana não tem qualquer indicação clínica”, diz o médico e tricologista.

Ele explica que o tratamento da dermatite seborreica deve ser feito em consultório, com protocolo que envolve técnicas de manejo capilar, bem como técnicas de relaxamento e combate ao estresse e adequação da dieta do paciente. “No Instituto do Cabelo, nosso protocolo envolve até mesmo a Meditação para complemento do tratamento”, diz Barsanti.

Outros elementos que o médico e tricologista desaconselha ser usados nos cabelos:

Bicarbonato de sódio – Por ser um produto químico extremamente básico (ao contrário dos fios, que são de natureza ácida), o produto deixa as cutículas dos fios abertas, sensíveis a elementos externos. Não deve ser usado nos fios.

Babosa – A aloe vera, também conhecida como babosa, quando processada pela indústria farmacêutica, é um componente importante para a composição de shampoos e outros produtos para os cabelos. Porém, se usada in natura, pode causar danos ao couro cabeludo, como alergias e até queimaduras. É preciso ter cuidado com a planta.

Sobre o Instituto do Cabelo

O Instituto do Cabelo é uma clínica médica, registrada no CRM sob o número 38045, especializada no tratamento capilar de homens, mulheres e crianças.

À frente dos trabalhos estão o Dr. Luciano Barsanti e a Dra. Marcia Cecilio.

O currículo do Dr. Luciano Barsanti dispensa quaisquer outras apresentações. Médico e Tricologista, ele é Presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia “SBTri”, membro titular do American Hair Loss Council – USA e da Sociedade Italiana de Tricologia, além de membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia. É Diretor Médico do Instituto do Cabelo.

Junto a ele está a Dra. Marcia Cecilio, Diretora Científica do Instituto do Cabelo. Médica e Tricologista, ela é membro titular do American Hair Loss Council – USA, membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, e membro da Sociedade Brasileira de Tricologia “SBTri”.

O protocolo médico do Instituto do Cabelo utiliza métodos não-invasivos para diagnóstico do problema capilar e seu melhor tratamento. Isso significa que a recuperação da saúde dos cabelos se faz sem injeções no couro cabeludo (mesoterapia), cirurgias, técnicas artificiais de entrelaçamento ou próteses.

No tratamento não-invasivo, são utilizados equipamentos para eletroestimulação do bulbo do cabelo e desobstrução do óstio (orifício) capilar.

Métodos avançados de diagnóstico: Para a detecção dos problemas capilares envolvidos, o paciente é submetido à consulta médica e ao exame tricológico, por meio de scanner do couro cabeludo, e à microscopia da raiz capilar (bulbo). A partir desse diagnóstico, o paciente é encaminhado ao tratamento.

Tratamento: No tratamento não-invasivo, são utilizados equipamentos pra eletroestimulação do bulbo do cabelo e desobstrução do óstio (orifício) capilar. O Instituto do cabelo utiliza tecnologia de laser de baixo comprimento de onda para a recuperação capilar.

O FDA Americano avaliza o laser de baixa penetração como uma das tecnologias para o tratamento de recuperação capilar. A técnica chama-se LLLT (Low Level Laser Therapy), também conhecida como laser frio. Estudos científicos internacionais demonstraram o aumento da multiplicação celular da raiz do cabelo, aumentando a velocidade de crescimento dos fios e melhorando a densidade capilar, a partir desse tratamento.

Outras terapias auxiliares são adotadas para que o tratamento se potencialize, já que os pacientes podem necessitar de atendimento multidisciplinar que, apenas a partir de uma consulta médica, serão indicados.

O Instituto do cabelo oferece atendimento específico para a recuperação capilar após a gravidez, bem como para os mais variados casos de alopecia.

Todo o tratamento é acompanhado e supervisionado por um médico e tricologista.