6 de dezembro de 2022

adiVerse: Adidas vai ter seu próprio metaverso?

Entenda mais sobre o metaverso e porque marcas como a Adidas estão correndo para comprar seus “terrenos” por lá

O metaverso, apesar de ser um assunto amplamente comentado nos últimos tempos, ainda gera dúvidas em muita gente, principalmente quanto à sua usabilidade. Afinal, será que essa tendência vai acontecer mesmo?

Para as marcas, o metaverso não apenas se tornará relevante no futuro como já é um espaço de investimento. Prova disso é a entrada da Adidas para o metaverso. Será que em breve você estará utilizando um cupom de desconto da Adidas lá no metaverso?

Entenda melhor sobre essa “nova realidade” e, porque as marcas vêm investindo nisso.

Afinal, o que é um metaverso?

A ideia de metaverso ainda é bastante abstrata para muitos, mas não é algo novo. Metaverso é o nome dado atualmente para se referir à existência de uma realidade paralela no mundo digital.

Em outras palavras, um “espaço” digital que seria como uma cópia da vida real, mas, por não ser física, permite interações diferentes entre as pessoas, marcas, empresas e governos. É como se o indivíduo tivesse uma vida na realidade, em que interage fisicamente com as pessoas, e outra no metaverso, em que tem contato com outras pessoas apenas digitalmente.

Se a ideia parece muito futurista à primeira vista, na verdade, não é tanto assim. O universo dos jogos online, por exemplo, já reproduziu algo semelhante a isso. O espaço do jogo digital é uma realidade paralela, onde os indivíduos interagem digitalmente com pessoas diferentes da sua vida real. O jogo Second Life, criado em 1999, já propunha essa cópia do mundo real no ambiente virtual, por exemplo.

A questão do metaverso é tornar esse tipo de interação ainda mais abrangente, com mais pessoas e interações semelhantes à vida real, porém na realidade virtual. Isso inclui, claro, a relação das pessoas com as marcas.

O adiVerse, o metaverso da Adidas

Considerando a ascensão dessa ideia e, principalmente, o momento de grande investimento na área, a Adidas não quis ficar para trás e passou a focar esforços em sua presença no metaverso também. Afinal, outras marcas esportivas, como a Nike, já estavam fazendo isso.

O “espaço” escolhido para sua presença virtual foi o metaverso desenvolvido pela The Sandbox. A Adidas anunciou a compra de um “espaço” (land, ou terreno, em português, criado por NFT) nesse metaverso, indicando que criaria seu próprio “adiVerse” utilizando a plataforma e sua tecnologia.

Com isso, também é esperado que a marca esportiva entre para o mercado de tokens não-fungíveis (NFTs). Assim, os produtos seriam criados especialmente nesse formato para serem utilizados no metaverso, por exemplo.

Outro ponto seria o uso de criptomoedas para as transações. No caso do The Sandbox, a moeda utilizada é a SAND, que teve uma valorização quanto a Adidas anunciou sua presença por lá.

Quais os benefícios da estratégia para a marca?

Por que investir no metaverso se isso ainda não é uma realidade global? O principal benefício para a Adidas (e outras marcas) é a presença nesse ambiente virtual, ou seja, estar ali antes que o “movimento” comece de fato e a marca fique “atrasada”. Esse investimento também pode ter sido impulsionado pelo fato de outras empresas concorrentes já estarem se movimentando para isso.

Além disso, o investimento no metaverso mostra que a marca está intimamente ligada com a tecnologia, fazendo com que seus clientes a vejam como uma empresa moderna e que poderia, por exemplo, refletir em produtos de maior qualidade.

Outro ponto é que o público da Adidas pode estar muito mais relacionado ou interessado no metaverso. Isso indicaria, por exemplo, uma propensão maior dos clientes entrarem para a realidade virtual — e consumirem por lá também.

Assim, mesmo que a ideia pareça distante para muitos, a discussão em torno desse tópico mostra que essa realidade paralela pode estar mais próxima do que imaginamos.