5 de dezembro de 2022

Comprar roupa infantil atacado para revender é um dos melhores negócios

Se já se decidiu abrir uma loja de roupas, parece que não há dúvidas: você tem que optar por roupas infantis, que vão desde o nascimento até quatro ou cinco anos. 

Entre as muitas e variadas recomendações para iniciar um empreendedorismo lucrativo, há unanimidade de que esse negócio está em ascensão. O fato é que as crianças se tornaram os grandes “consumidores”.

Os hábitos de consumo mudaram tanto nos últimos anos que as crianças de 0 a 4 anos passaram a ser o principal mercado. Os filhos, principalmente se forem os primeiros, tornaram-se os reis do orçamento familiar. 

Por sua vez, todos os especialistas comerciais concordam que a exposição desses produtos para crianças nas redes sociais está se multiplicando e isso influencia sua demanda. Além disso, não se deve esquecer que uma criança está em constante crescimento e suas necessidades de roupas são maiores do que as de pessoas adultas.

Por fim, há um outro fator que ajuda a lucratividade de comprar roupa infantil atacado para revender, é que, hoje, esses produtos não comparam preços como antigamente, pois como as famílias não são tão grandes, mais dinheiro é dedicado a cada filho.

Para começar no mundo das roupas infantis uma série de recomendações devem ser observadas. Os primeiros são os habituais para quem quer abrir uma empresa: fazer um plano de negócios, ao qual respeite rigorosamente (investimentos, despesas, mercado, público-alvo, etc); escolha local com possibilidade de funcionamento comercial; procure aconselhamento como qualquer trabalhador autônomo em questões tributárias, administrativas, contábeis, trabalhistas, etc; e realizar os trâmites burocráticos necessários para a abertura do negócio (licenças de abertura, alvarás, etc.).

Dicas específicas para ter sucesso com roupa infantil 

No entanto, um estabelecimento que comercializa roupa de criança possui uma série de características próprias na hora de montá-lo, que são as seguintes:

  • Decida  se vai vender apenas roupas ou também acessórios como móveis, mamadeiras, carrinhos, brinquedos, enfeites… É muito comum começar com uma linha de produtos e, se o negócio estiver indo bem, ampliar a oferta.
  • Mergulhe todo o tempo necessário para encontrar os fornecedores certos. É preciso conhecer as marcas existentes, estudar quais são as mais solicitadas ou os preços dos atacadistas. 

Embora o aspecto de fornecedor seja comum a qualquer comércio, no caso das crianças ele deve ser ainda mais refinado dada a natureza especial do “cliente” que vai utilizar os produtos. Aqui, a qualidade deve ter precedência sobre muitas outras considerações. A Internet é uma forma muito válida de começar a conhecer fornecedores.

  • A vitrine é mais um “vendedor” nas lojas de crianças junto com a decoração de interiores. Todos os especialistas recomendam cuidar de ambos os elementos com cuidado especial. A má escolha de cores ou produtos expostos prejudica o negócio.
  • Se também houver venda online ou se for vendida apenas online, é aconselhável oferecer o máximo de informações possível sobre cada peça ou produto. Lembre-se de que muitos clientes são pais de primeira viagem. Não basta mostrar a peça de roupa e os tamanhos disponíveis. É preciso definir sua composição, manutenção e cuidados com a lavagem, indicar para qual fase da vida se encontra cada produto e oferecer quanto mais conselhos melhor. 

Ao selecionar pessoal, recomenda-se também a contratação de pessoas com experiência no mundo infantil. Muitos clientes pedem conselhos aos dependentes, pois podem não ter filhos ou desconhecer os hábitos de um recém-nascido. Ao pensar no público potencial, este é um aspecto muito importante a se levar em consideração: os clientes não serão apenas pais. O resto da família, amigos e conhecidos vão frequentemente às lojas infantis com a ideia de comprar presentes.