8 de dezembro de 2022

5 fatores que contribuem para a proliferação de pulgas que você não sabia

Falhas nos pisos e revestimentos, por exemplo, podem ser um ótimo esconderijo para esses minúsculos parasitas

De repente, você começa a observar que o seu cachorro está se coçando mais do que o habitual – chegando, em alguns casos, a criar feridas na pele e tendo queda de pelos em algumas partes do corpo do animal.

Isso pode ser um sinal claro da presença de ectoparasitas, como pulgas. Elas se alimentam do sangue de animais, a exemplo de cães e gatos, e, causam irritação na pele, além de serem possíveis transmissores de doenças como peste bubônica e tifo murino. Sendo assim, é indispensável investir no combate às pulgas.

No entanto, não adianta investir em medicamentos se a causa não é devidamente tratada. O que, por sua vez, significa erradicar tanto as pulgas presentes no seu pet quanto aquelas que ainda vão se desenvolver. Conheça agora alguns fatores que contribuem na proliferação desses parasitas e o que fazer para evitá-los.

O que predispõe a proliferação de pulgas?

Há uma série de cuidados que os donos de pets devem ter para inibir a presença de parasitas. O uso de coleiras antipulgas e a ingestão periódica de medicamentos desparasitários nos animais domésticos são dois exemplos clássicos e que fazem muita diferença para inibir a presença de pulgas e carrapatos.

No entanto, tais cuidados não são capazes de inibir completamente tanto a presença quanto a propagação desses parasitas em nossos cães, gatos e também no ambiente em que vivemos. Nesse sentido, é importante conhecer melhor o que predispõe esse ciclo reprodutivo e como inibi-lo. Confira a seguir.

Ciclo de vida da pulga

De todos os fatores possíveis, este provavelmente é o que mais facilita a proliferação desses ectoparasitas nos pets – o ciclo de vida das pulgas. Isso porque elas se reproduzem com uma facilidade absurda. Para se ter uma ideia, uma fêmea devidamente alimentada produz cerca de 50 ovos por dia.

Além disso, as larvas (geradas pelos ovos) transformam-se em pupas que podem ficar escondidas por muito tempo até encontrarem o hospedeiro ideal. Quando isso acontece, elas transformam-se em pulgas jovens que, facilmente, infestam o animal e, assim, iniciam um novo ciclo reprodutivo.

Passeios

Sabe aquele passeio feito com o seu cachorro todos os dias? Então, ele também pode ser uma possibilidade no que diz respeito à infestação de pulgas. Isso acontece, por exemplo, quando o seu pet caminha ao lado de outros animais contaminados.

As pulgas têm uma incrível habilidade de saltar a até 20 centímetros de altura e até 40 centímetros de distância do seu hospedeiro. Dessa forma, se um animal contaminado passa do lado do seu, o resultado pode ser uma fácil propagação de pulgas – especialmente se o seu pet não estiver devidamente protegido.

Vizinhança

A propagação de parasitas como a pulga também pode acontecer através da vizinhança, o que engloba todos os animais que, por algum motivo, transitam próximo do seu pet.

E quando falamos de animais não nos restringimos a cães e gatos. Pequenos pássaros, como os pardais e pombos, também são hospedeiros de pulgas e carrapatos, podendo contaminar o seu pet facilmente.

Falta de higiene

Quando se fala de higiene, logo vem à mente a falta de banho no animal, mas não é só isso. A higiene deve abranger tanto o cachorro ou gato como todo o espaço em que ele vive e transita. 

Isso significa limpar a caminha ou casinha onde ele dorme, os panos e cobertas que ele usa, bem como a higienização da casa como um todo. O uso de aspirador de pó, por exemplo, é excelente para remover possíveis focos de pulgas em lugares mais escondidos.

Falhas nos pisos e revestimentos

Uma condição que também contribui para a proliferação de ectoparasitas como as pulgas é a presença de falhas nos pisos e revestimentos da casa. Isso porque esses insetos dão preferência a esses esconderijos para deixar seus ovos até que eles se desenvolvam e possam invadir um hospedeiro.

Nesse sentido, é importante fazer a manutenção dessas possíveis falhas, de modo a impedir que tais insetos fiquem alojados e, consequentemente, contaminem o seu animal de estimação.