6 de dezembro de 2022

Como incluir jogos eróticos na relação, mas com limites?

Ao falar da sexualidade, vemos o quão limitado é pensar nela exclusivamente a partir da genitalidade (relação sexual) focando o prazer apenas nos órgãos genitais, isso pode ser um equívoco que impede os amantes de conhecerem os verdadeiros prazeres que o corpo pode proporcionar.

O corpo pode reagir sexualmente, diante de estímulos táteis, visuais, verbais, aspectos de ordem emocional e psíquica também influenciam o encontro do casal, a sexualidade é a relação do sujeito com o meio ambiente, a partir de suas próprias necessidades e desejos, regido pelo princípio do prazer, a criatividade e a inclusão de jogos eróticos são muito importantes. 

O sexo representa entre 40 e 60% da vida de casal. Mas, com o passar dos anos, é ofuscado pela rotina, pelas obrigações do dia a dia, por isso pensar que o desejo se acende apenas “apertando o botão”, ou pelo simples fato de “juntar os corpos”, é um engano. 

O sexo tem seus tempos, seus códigos de abordagem e seus padrões de cumplicidade. Nos primeiros anos de relacionamento é uma força espontânea, às vezes mobilizada pela paixão que não exige muitos recursos para estar presente. No entanto, as chamas do início diminuem com o tempo e dão lugar a um desejo mais calmo. 

Por isso, sem dúvida, devemos nos libertar das “repressões”, deixando de lado certas questões morais, tabus, medos, como servem apenas para nos inibir e distanciar um do outro e em muitas ocasiões nos impedem de ter acesso ao prazer.

O recurso criativo vem para enriquecer a vida sexual dos casais, uma boa forma de acender a paixão é começar a falar sobre o que você faria gosta de fazer e o que eles fazem com você, diga a si mesmo o que o excita e quais áreas são mais sensíveis. 

A partir daí, o que a imaginação permitir, desde que seja satisfatoriamente consentido por ambas as partes. Podem ser beijos, mimos, massagens, autoerotismo, assumir papéis e personagens e ainda incluir elementos, cremes, géis. 

O importante é que sejam explorados juntos, que gostem de dois e poder se concentrar em toda a gama de possibilidades sensuais pode ser ultra-erótico. Tudo isso o ajudará a melhorar a comunicação e a expressar seus sentimentos.

Lembremo-nos daquele criador de sonhos que foi o escritor Ray Bradbury quando disse que “é preciso injetar fantasias todos os dias para não morrer de realidade”. 

Por que é importante que o casal tenha certos limites ao jogar?

Lembremos que a sexualidade é um ato de comunhão e dedicação com o outro, portanto o respeito e a comunicação são a base fundamental para que seja agradável, à medida que o tempo passa e as relações se firmam, seja pelo diálogo, pela linguagem corporal ou pela mesma tentativa e erro que aprendemos a nos conhecer profundamente. 

Nesse processo, é como se certas práticas e jogos sexuais se instalassem, enquanto outros fossem negligenciados ou nem mesmo tentados. E as diferentes coisas que são feitas fazem parte de um acordo, explícito ou implícito. De vez em quando, é bom voltar a um diálogo sobre seus gostos e os de seu parceiro. A vida muda, tudo muda … Respeite o seu parceiro, a chave é: pensar no outro e no seu bem-estar. 

Que limites você deve ter nesses jogos? 

No sexo há limites, ou seja, um ponto a que você pode ir, além do qual dirá não, independentemente do amor que sinta por ele. Na verdade, o que conta é o que as duas pessoas concordam, considerando suas fantasias, preferências e também suas inibições. 

Quais são os limites do sexo que ocorrem com mais frequência? 

  • Incorpore alguém (uma terceira pessoa ou talvez outro parceiro) à cena sexual.
  • Jogos eróticos como o BDSM que incluem dominação ou dor.
  • Movimentos ou posturas que causam desconforto ou dor.
  • Diferenças na frequência sexual desejada.

Quais são os jogos recomendados e quais não são?  

Os jogos eróticos ideais são aqueles em que existe consenso e aprovação de ambos, por isso a comunicação é um instrumento essencial nas relações do casal. Através da linguagem verbal e não verbal podemos resolver problemas, estabelecer acordos, compreender-nos, criar fantasias e jogos eróticos, com o endosso total do outro.